Palavras // Poemas

Palavras // Poemas

Palavras // Poemas

Amor e poesias // Em Prosa E Versos 

Palavras Poemas De Amor

i

Não Saber Escrever Corretamente Não Considero Uma Vergonha Mais Sim Falta De Conhecimento. Ter O Conhecimento E Não Saber O Que Escrever Não Considero Uma Vergonha Mais Sim Falta De Inspiração. // Jorge Soares

 

A procura da felicidade

A Procura Da Felicidade

 

 

Tenho vinte oito anos e por esse tempo de vida já vivi tantos momentos de dificuldades, foram tantos que às vezes penso que Deus não existe  e se existe ele me ignora. Ainda agora neste momento me vejo mais uma vez vivendo momentos  difíceis perdi meu emprego e desempregado com dividas para pagar como posso me sentir feliz com minha vida. Dei muito de mim para conseguir uma vaga na empresa em que trabalhava, era preciso  ter o segundo grau eu não tinha, pois muito mau tinha conseguido terminar o primário tive que parar meu pai precisava de mim para ajuda-lo em seu trabalho fui seu ajudante por alguns anos. Meu pai tinha como profissão pedreiro e como seu ajudante o acompanhei durante uns bons anos trabalhando pela cidade em que morávamos. Durante todo esse tempo eu presenciava pessoas usando uniformes de uma grande fabrica de motores elétricos e achava bonitos aqueles uniformes e por conta disso comecei a me ver vestido com um deles só que não era muito fácil conseguir uma vaga de trabalho na fabrica em primeiro lugar tinha que ter o segundo gral completo e eu mal tinha o primeiro mais como sonhar não custa nada eu continuei sonhando e me vendo usando um dos uniformes sendo um funcionário de que lá fabrica.

 

O tempo foi passando e minha vida não mudava em nada era só trabalho e o pior de tudo era que não tinha dinheiro pra nada se quisesse qualquer coisa tinha que pedir a meu pai. Eu via o tempo passar e minha mocidade  se perdendo dando aos pouco lugar pra maior idade logo completaria meus dezoito anos se tivesse no colégio já estaria no segundo grau bem perto de realizar meu sonho mais estava preso ao compromisso  que meu pai empós para mim.

 

Eu estava preso aquela situação  não sabia como me livrar das amarras a mim impostas pelo meu pai mais sabia que o que fazia ao lado dele não me traria nenhum beneficio e se continuasse  seguindo os mesmos caminhos seria seu escravo para o resto de minha vida, precisava tomar uma atitude mais o que fazer se qualquer decisão que viesse a tomar precisaria de dinheiro para seguir em frente e eu não tinha dinheiro nem pra um cafezinho se tivesse vontade de tomar.

Em nossa casa era cinco eu era o filho mais velho depois de mim vinha uma irmã e depois o casula meu irmão, temia que meu pai fizesse com ele o que estava fazendo comigo quando eu me fosse à procura de outro caminho embora este meu receio me atormentasse bastante eu sentia que teria que tomar uma atitude, pois do contrario jamais deixaria de ser um escravo de meu pai. Minha mãe também trabalhava em casa de família como cozinheira que por sinal era uma cozinheira de primeira tanto que nos fins de semana cozinhava em casa para algumas pessoas que lhe encomendavam com algumas  ela tinha o compromisso  constante lhe pagavam mensalmente.

 

Não levávamos uma vida ruim meu pai podia ter me deixado seguir com meus estudos mais achou que aprender uma profissão seria mais útil para mim que estar dentro de uma sala de aula estudando. Para ele ter uma profissão era ter segurança, ter sempre trabalho, ele pensava assim não tinha como mudar seu pensamento eu e que precisava tomar minha decisão e romper com tudo e seguir por um outro caminho e não continuar segundo pelo caminho que meu pai me impunha.

 

Com esse pensamento comecei a procurar por uma solução, precisava deixar minha casa, casa de meu pai, pois enquanto permanecer  morando  ali teria que obedecer suas regras.

Eu conversava muito com minha mãe mais nunca falei a ela sobre sair de casa, nunca lhe disse desse meu desejo e das dificuldades para tornar realidade mais naquele dia senti que era o momento, Era um domingo meu pai havia saído para ver outro trabalho senti que era o momento e contei a minha mãe abri meu coração pra ela que se propôs a me ajudar com o dinheiro mais somente o faria se eu tivesse um destino certo um lugar pra onde iria,  colocar dinheiro no bolço e sair por ai sem destino isso não desta forma ela não me daria dinheiro.

 

O primeiro passo pra liberdade foi dado, já tinha a ajuda que precisava agora precisava de outra ajuda, um lugar onde ficar, pois a ajuda de minha mãe só viria depois de dar a ela a certeza de que estaria bem onde pretendia ir. Um de meus primos por vezes me convidou a passar uns tempos com ele então pensei  era a hora naquele mesmo domingo liguei pra ele e lhe fiz a pergunta se ainda estava de pé o convite que havia me feito de passar uns tempos com ele e a resposta foi sim. Ainda naquele domingo falei a minha mãe que já sabia pra onde ir  que iria passar um tempo com meu primo  sobrinho dela  filho de sua irmã.

 

Meu pai foi contra, eu não queria falar pra ele queria que minha mãe lhe desse a noticia, pois sabia que ele não concordaria com minha decisão, por fim conseguir viajar. Passei quatro longos anos  na companhia de meu primo e sua família  durante este tempo trabalhei e estudei, pois ainda mantinha o desejo de trabalhar na fabrica de motores em minha cidade natal.

Um sonho modesto reconhece eu podia continuar estudando e conseguir futuramente um ótimo trabalho mais era um desejo forte que ocupava um parte de minha mente e não me deixava esquecer.

 

E assim  eu voltei a minha cidade depois de quatro longos anos afastado de casa sim depois que me fui não voltei mais ligava pra minha mãe todos os fins de semana para saber de todos.  Foram  seis longas horas de viajem o ônibus por fim chegou a rodoviária  eu me sentia ansioso para chegar em casa e poder matar as saudades de todos  com um forte abraço. Eu e meu pai durante todo esse tempo que estive longe de casa só nos falamos uma vez por ano era na data de meu aniversario  minha mãe me ligava e ele me dava os parabéns.

O taxi paro em frente a casa seria uma surpresa para todos, pois ninguém sabia que eu estava pra chegar e quando toquei a companhia e a porta foi aberta por minha irmã  que no mesmo instante gritou mãe, pai e o  Felipe todos vieram ao meu encontro ate mesmo meu pai. Estava de volta a minha casa depois de quatro longos anos, encontrei tudo em paz meu pai  estava numa boa comigo ele continuava com os mesmos pensamentos só que minha mãe o impediu de fazer com meu irmão o que fez comigo me privando dos estudos. 

 

Minha volta pra casa era um desejo que vinha alimentando todos os anos que estive longe, hoje depois de alguns anos reconheço que não foi uma boa escolha, pois conseguir realizar meu sonho  usar um uniforme que eu admirava tanto, conseguir um emprego na fabrica de motores algo que desejava tanto antes de sair de casa, lutei me preparei e voltei e conseguir hoje sou um funcionário de fabrica. Senti-me realizado com o meu feito, me sentia feliz mais como tudo tem um tempo o tempo das duvidas começaram a marcar presença em minha mente, Depois de mais de três anos como funcionário da fabrica vi minha estabilidade no emprego ameaçada, minha e de todos os funcionários, pois começou a correr um boato que a empresa estava em dificuldades, endividada e prestes a decretar falência e não demorou muito para que o que era um boato se tornasse realidade.

Senti-me  totalmente arrependido da escolhe que fiz quando decidi voltar pra ficar, realizei um sonho dos tempos de criança mais perdi três anos de  minha vida no meu retorno e agora pensei  o que fazer, desempregado numa cidade onde o melhor dos empregos já não existia mais e sem emprego eu voltei ao começo quando trabalhava com meu pai e tomei a decisão de partir.

 

Sentia-me como me senti naquele tempo totalmente perdido e como naquele tempo levei um tempo para colocar as ideias dentro da cabeça em ordem e tomar uma decisão, voltar novamente pra onde não deveria ter saído, lutar pra realizar um sonho nem sempre e uma escolha certa, um sonho realizado pode nos trazer  boas emoções m ais também decepções e eu me sentia decepcionado com minha falta de sorte. Não havia nada mais pra mim naquela cidade a não ser minha família, não tinha mais motivo pra continuar vivendo ali, não tinha futuro algum, precisava voltar pra onde não deveria ter saído e recomeçar, liguei pra meu tio para lhe dizer que ele estava certo quando me aconselhou a ficar e que estava pensando em voltar e recomeçar.

 

Hoje depois de alguns anos quando me lembro daquele tempo perdido pra viver um sonho dos tempos de criança sinto saudades de minha infância de como era descomplicado ser criança, como era muito mais fácil tomar decisões, pois responsabilidades  era somente uma palavra grande que não significava nada na cabeça de uma criança. Depois de alguns anos passados após meu retorno a casa de meu tio  já não morava mais com ele no sitio por conta do meu emprego  passei a morar na cidade mais todos os fins de semanas eu voltava pro sitio gostava da tranquilidade e se não fosse pelo trabalho não tinha saído  me sentia feliz quando estava lá. Minha vida seguiu assim por mais alguns anos ate que num belo dia conheci Izabel era o começo de uma nova história que somente o tempo me permitira lhes contar.

Jorge Soares

 

Caro visitante grato pela visita Se gostou do que encontrou por favor curta e compartilhe outras pessoas podem também gostar.

Pequenas Histórias

 

Contando histórias  aqui eu Jorge Soares conto pequenos contos, pequenas histórias nada muito grande que desanime você de ler.

 


contador de visitas online

Criando Fazendo Arte

Artesanatos

Produtos Criativos um clik e vá a loja